Português Italian English Spanish

PTS - Projeto Técnico Simplificado até 1.500 m2.

PTS - Projeto Técnico Simplificado até 1.500 m2.


É preciso ficar atento que a alteração é apenas de procedimento, não foram alteradas as exigências previstas no Decreto Estadual 63.911/18, portanto continua sendo necessário a instalação de hidrantes, alarme, e os demais sistemas de proteção contra incêndios previstos nas Tabelas 6, que dependem da ocupação do prédio.

A portaria Nr. CCB 011/800/20 aumentou a área máxima para PTS  

Projeto Técnico Simplificado que era de 750 m2 para 1.500 m2, esta Portaria do Comandante do Corpo de Bombeiros de São Paulo publicou a nova versão da Instrução Técnica 42/20.

Esta alteração vai diminuir muito o número de projetos para análise, visto que é uma faixa de imóvel com grande incidência.

É preciso ficar atento que a alteração é apenas de procedimento, não foram alteradas as exigências previstas no Decreto Estadual 63.911/18, portanto continua sendo necessário a instalação de hidrantes, alarme, e os demais sistemas de proteção contra incêndios previstos nas Tabelas 6, que dependem da ocupação do prédio.

Vejam que antes os sistemas de hidrantes para as edificações entre 750 e 1500 m2 passavam pela aprovação prévia do Corpo de Bombeiros e muitos destes sistemas eram reprovados por erros nos cálculos hidráulicos e por falta de cobertura em algumas partes da edificação, doravante estes sistemas serão instalados e a Corporação vai validar sua instalação in loco, ou seja, o sistema vai ser testado depois de executado e qualquer necessidade de melhoria vai ser muito mais custosa.

Esta alteração aumenta a responsabilidade do profissional de engenharia que deve ser mais cauteloso na elaboração deste tipo de projeto, não vai ter mais a validação prévia do analista, isto com certeza, é uma evolução e vai dar mais celeridade aos projetos mais complexos que realmente precisam de uma análise um pouco mais profunda.

Vale lembrar que a pressão e a vazão descritas na tabela 2 da Instrução Técnica 22/19 são as mínimas no hidrante, mas não são o ponto inicial de cálculo, para que se tenha um cálculo hidráulico correto é necessário considerar o rendimento do esguicho e a perda de carga de carga na mangueira, mesmo que o Corpo de Bombeiros não exija a demonstração deste trecho, isto é necessário para se respeitar as leis da física, como agora não haverá a aprovação prévia do projeto, sugiro que seja realizado o cálculo da maneira correta e que seja considerada todas as variáveis que a hidráulica solicita.

Fica a dica de uma planilha de cálculo que considera o rendimento do esguicho de vários fabricantes e automatiza várias etapas do cálculo. Parabéns ao Corpo de Bombeiros pela evolução.

Por Prof. Silmar Sendin